Last updated: 25 May, 2022

Indústria, Comércio, Dinheiro e Economia - Palavras de Sabedoria

Feito em Auroville

A Mãe

Auroville será uma cidade autossuficiente.

Todos que viverem lá participarão de sua vida e de seu desenvolvimento. Essa participação pode ser passiva ou ativa.

Não haverá impostos como tais, mas cada um contribuirá para o bem-estar coletivo com trabalho, gênero ou dinheiro.

Segmentos como as indústrias que participam ativamente contribuirão com parte da sua renda para o desenvolvimento da cidade. Ou se elas produzirem algo (como gêneros alimentícios) útil para os cidadãos, elas contribuirão em gênero para a cidade, a qual é responsável por alimentar os seus cidadãos.

30 de dez. de 1967, Vol. 08, Agenda da Mãe


A organização deveria ser de tal maneira, deveria ser tão planejada, que as necessidades materiais de todos estivessem asseguradas, não de acordo com as ideias de direitos e igualdade, mas com base no mínimo de necessidades. E uma vez que isso é estabelecido, cada um deveria ser livre para organizar a sua vida de acordo com elas— não de acordo com os seus meios financeiros, mas com as suas capacidades internas.

30 de dez. de 1967, p. 16, A Mãe em Auroville


Quando uma pessoa não tem mais quaisquer desejos, quaisquer apegos, quando uma pessoa tem uma consciência vasta como a terra, então ela pode ter tanto dinheiro quanto há na terra; seria muito bom para todos. Porém, se uma pessoa não é assim, todo o dinheiro que ela tem é como uma maldição sobre ela. Isso eu poderia dizer a qualquer um em sua cara, mesmo ao homem que pensa que é um mérito ter se tornado rico. É uma calamidade e talvez seja uma desgraça, isso é; é uma expressão do divino desprazer.

P. 54, Vol. 07, CWM
(Obras Completas da Mãe, na sigla em inglês)


O dinheiro não está destinado a gerar dinheiro; o dinheiro deve gerar um aumento na produção, uma melhora nas condições de vida e um progresso na consciência humana.

4 de out. de 1958, Vol. 01, Agenda da Mãe


Eu gostaria que não houvesse dinheiro dentro de Auroville (nós teremos que desenvolver algo), eu gostaria que o dinheiro fosse reservado apenas para relações com o ambiente externo.

30 de ago. de 1969, Vol. 10, Agenda da Mãe


Sri Aurobindo

A acumulação de mais e mais riqueza, a soma de posses e posses, a opulência, a exibição, o prazer, o luxo pesado e não artístico, uma abundância de comodidades, a vida desprovida de beleza e nobreza, a religião vulgarizada ou friamente formalizada, a política e o governo transformados em comércio e profissão, o próprio prazer feito um negócio, isso é comercialismo.

P. 80, Vol. 25, CWSA
(Obras Completas de Sri Aurobindo, na sigla em inglês)


A guerra não é mais a filha legítima da ambição e da fome por território, mas a cria bastarda da fome por riqueza ou do comercialismo com ambição política como o seu suposto pai.

P. 490, Vol. 25, CWSA
(Obras Completas de Sri Aurobindo, na sigla em inglês)


Ainda que se eu mesmo tivesse tido a maestria para fazer negócios como eu tive a maestria para fazer política, eu teria feito isso sem o menor remorso espiritual ou moral. Tudo depende do espírito em que uma coisa é feita, os princípios em que é construída e o uso para a qual é voltada.

P. 372, Vol. 22 - 24, SABCL


Sri Aurobindo não está de modo algum limitado às instituições ou ideias correntes do mundo atual, seja nos campos político, social ou econômico; não é necessário para ele tampouco aprovar ou desaprová-las. Ele não considera tampouco o capitalismo ou o socialismo ortodoxo como a solução certa para o futuro do mundo; nem pode admitir que a admissão da empresa privada por si só torna a sociedade capitalista, uma economia socialista pode muito bem admitir uma certa quantidade de empresa privada controlada ou subordinada como um auxílio ao seu próprio trabalho ou uma conveniência parcial sem cessar de ser socialista.

(Escrito pelo próprio Sri Aurobindo em 15 de abril de 1949)
P. 303, Vol. 10, Agenda da Mãe


(Portuguese translation by Pablo Antunes)